O QUE PODEMOS APRENDER COM O RESGATE DE ESCALADA MAIS ESTRANHO DE 2024

Um caso recente de uma missão de busca e resgate no estado de Washington (EUA) trouxe à tona uma lição importante para os escaladores. Ao tentar sua primeira rota de múltiplas enfiadas em uma grande parede de rocha, é melhor manter seu grupo de escalada pequeno.

De acordo com o Methow Valley News, na terça-feira, 21 de maio, um grupo de oito escaladores de Illinois e Indiana tentou subir uma longa rota de escalada esportiva na Goat Wall, em Mazama, Washington.

Veja também
+ Novas regras para visitação da Pedra do Baú causam polêmica entre montanhistas
+ Correr de sandálias? Conheça o modelo projetado para corrida em trilha
+ Ultramaratonista mais rápido do Brasil vai tentar o recorde mundial dos 100 km

O grupo começou a escalada às 7h30 e ainda estava apenas a dois terços do caminho quando o sol começou a se pôr. Quando o grupo chamou o Gabinete do Xerife do Condado de Okanagan às 22h30 para iniciar um resgate, já estava escuro.

Zach Winters, um voluntário do Okanagan County Search and Rescue (OCSAR) familiarizado com a rota, ligou para membros do grupo de escalada em Mazama para tentar orientá-los a descer por conta própria.

Infelizmente, os escaladores não tinham experiência em rotas tão grandes, “eles nunca deveriam estar lá”, de acordo com outro membro da OCSAR. Nenhum deles havia feito uma escalada de múltiplas cordadas antes, disse Winters ao Methow Valley News.

Winters e mais duas pessoas chegaram ao local por volta da meia-noite e começaram a ajudar, mas o tempo piorou. As condições da primavera nas North Cascades podem ser imprevisíveis, mesmo no final de maio. Uma tempestade atingiu Mazama, com chuva que se transformou em neve pesada e lamacenta, forçando os escaladores a se abrigarem em uma pequena caverna perto da saliência onde estavam presos.

Enquanto isso, os resgatistas chegaram ao topo da Goat Wall por uma estrada de acesso com comida e suprimentos e começaram a fixar cordas para descer até o grupo encalhado. Neve e gelo bloquearam os dispositivos de rapel dos membros da OCSAR, retardando seu progresso enquanto desciam pela rota de escalada.

Os resgatistas ajudaram seis dos escaladores a descer mais de 240 metros até o chão. Dois membros do grupo não se sentiram confortáveis para descer, então a equipe de resgate usou um sistema de polias para puxá-los até o topo da rota.

Winters e um dos dois escaladores estavam atados juntos para a subida, de acordo com o Methow Valley News. Foi um processo longo e difícil puxá-los os restantes 180 metros — às vezes, eles estavam simplesmente pendurados no ar, disse Winters.

A missão se estendeu durante a noite, pela manhã e até a tarde seguinte. Só às 17h30 de quarta-feira, 22 de maio— um total de 34 horas após os escaladores começarem a rot —todos os oito estavam seguros no solo, disse o coordenador da OCSAR, Rick Balam.

O que podemos aprender com esse desastre?

Estou bem ciente da natureza peculiar de planejar uma viagem de escalada a partir do meio-oeste. Fui para a faculdade em Illinois, e como escalador novato aprendi muitas habilidades lendo livros e conselhos na internet. Usei o pouco tempo livre que tinha durante o inverno para testar essas habilidades em grandes rotas no oeste. Li “How to Big Wall Climb” de Chris MacNamara no meu primeiro ano e passei algumas semanas escalando cordas penduradas em postes de luz de Chicago e aprendendo a construir sistemas de polias antes de dirigir para o Parque Nacional de Zion para escalar algumas grandes paredes.

Então, quando li que esse grupo havia “passado um ano pesquisando a Goat Wall” antes de realmente tentar, entendi parcialmente o dilema deles. Mas apenas olhar uma rota na internet algumas vezes não é realmente preparação. Existem maneiras de praticar habilidades de grandes paredes em uma academia de escalada ou em pequenas falésias antes da sua ascensão.

Relato sobre muitas chamadas de resgate (e recentemente fiz algumas para ajudar outros grupos no campo) e este desastre em Mazama é uma das histórias de resgate mais estranhas que já ouvi. Existem algumas lições importantes a serem extraídas disso.

A maior é manter o tamanho do grupo pequeno ao enfrentar uma grande escalada pela primeira vez. Oito pessoas era muito para uma tentativa desse tamanho. Os detalhes são vagos sobre exatamente quais sistemas de corda o grupo usou, mas mesmo que fossem quatro equipes de dois (o que provavelmente seria a maneira mais eficiente de escalar uma escalada esportiva moderada e bem protegida, como a rota Prime Rib na Goat Wall) ou se empilharam mais de duas pessoas por corda. Mas em qualquer caso, se você está escalando no seu limite ou acima dele, leve no máximo dois parceiros.

A próxima lição é sobre o clima. As North Cascades frequentemente têm neve e chuva no final de maio, mas mesmo assim este grupo tentou uma grande escalada de múltiplas enfiadas durante esse período. Uma escolha mais inteligente teria sido adiar a tentativa para mais tarde na temporada.

E, finalmente, escolher a rota certa para um iniciante em escalada de múltiplas enfiadas é crucial. Esse grupo escolheu uma rota de 13 lances com 450 metros de altura vertical —provavelmente é uma rocha muito difícil para aprender a fazer uma escalada de múltiplos lances. Esta é uma habilidade totalmente diferente de escalar em falésias ou em academias. Aprender a ser eficiente nas trocas de segurança é uma habilidade vital quando você precisa fazer isso 13 vezes. Apenas mais dez minutos atrapalhando em cada troca de segurança lhe custarão mais de duas horas ao longo de toda a rota. Encontre uma rota de dois lances para aperfeiçoar suas habilidades.

*Matéria originalmente publicada na Outside USA.

O post O que podemos aprender com o resgate de escalada mais estranho de 2024 aparece primeiro no Go Outside.

2024-06-12T14:19:07Z dg43tfdfdgfd